Planeta Enem

Setup Menus in Admin Panel

Fonética e Fonologia

FONÉTICA E FONOLOGIA

Os sons da fala são produzidos pelos órgãos do aparelho fonador. São eles:

■    pulmões;

■    brônquios e traqueia;

■    laringe;

■    glote;

■    cordas vocais;

■    faringe;

■    úvula;

■    boca;

■    fossas nasais.

 

Os sons produzidos pela passagem livre de ar pelos órgãos do aparelho fonador são as vogais.

Os sons produzidos pela resistência que os órgãos do aparelho fonador opõem à corrente de ar são as consoantes.

Os sons átonos que se unem com uma vogal, formando uma só sílaba, são as semivogais.

Fonemas

Os sons característicos de uma determinada língua são chamados de fonemas. As representações gráficas dos sons são as letras. Uma letra não corresponde necessariamente a um fonema, portanto não devemos confundir letras com sons. Na palavra quero, por exemplo, existem cinco letras e quatro fonemas, porque as letras q e u formam um só fonema (o u não é pronunciado: k/e/r/o).

Letra

É a representação gráfica dos fonemas, também chamada de grafema.

Em uma palavra o número de letras nem sempre coincide com o número de fonemas.

O alfabeto português é oficialmente constituído de 23 letras:

A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, L, M, N, O, P, a R, S, T, U, V, X, Z.

As letras K, W e Y só são usadas em palavras de origem estrangeira ou abreviaturas de termos técnicos ou científicos. Ex.: wagneriano, kg.

Encontro consonantal

É o encontro de duas consoantes com sons diferentes. Podem estar na mesma sílaba (grama, bloco) ou em sílabas diferentes (forte, carta, porta).

Consoantes mudas

São consoantes que não são seguidas de vogal.

Ex.: absoluto, advogado.

Dígrafo

Ocorre quando duas consoantes formam apenas um som. Ex.: carro, osso, nenhum.

No caso das letras q e u e g e u, ocorre dígrafo quando o u não é pronunciado. Ex.: guerra, quero, queijo. Quando o u é pronunciado, não existe dígrafo.

Ex.: quatro, quase, linguiça.

Uso do hífen

Notações léxicas

As notações léxicas são sinais gráficos acrescentados às letras, dando-lhes um valor fonético diferenciado ou para facilitar a pronúncia. Na língua portuguesa, são utilizados os seguintes sinais gráficos:

  1. a)    acento agudo [ ‘ ]: indica vogal tônica aberta: café, lágrima;
  2. b)    acento circunflexo [A]: indica vogal tônica fechada: avô, lâmpada;
  3. c)    acento grave [‘ ]: indica a possibilidade de crase da preposição a com artigos e pronomes: à vista, às 7 horas;
  4. d)    til [ ~ ]: indica vogal nasal: mãe, cão;
  5. e)    cedilha [ ç ]: dá ao c o som de /ss/: maçã, atenção;
  6. f)    trema [ ü ]: indica que a letra u é pronunciada: lingüiça, agüentar;
  7. g)    apóstrofo [ ‘ ]: indica supressão de vogal: falta d’água;
  8. h)    hífen [ – ]: usado para unir palavras: arco-íris, diga-me.

Veja a Tabela:

Prefixo Seguido de Com hífen Sem hífen
auto autobiografia
neo neoclássico
proto protozoário
pseudo pseudofobia
intra h, r, s, vogal extra-humano intramedular
extra extraconjugal (exceção: extraordinário)
infra infravermelho
supra supranatural
contra contra-atacar contrafé
semi semivogal
ultra ultravioleta
ante h, r, s ante-histórico antecâmara
anti anticristo
arqui arquiduque
sobre sobreaviso
inter h,r inter-hemisférico intercontinental
super super-homem superagudo
circum h, vogal circunscrever
com compasso
mal mal-humorado malcriado
ab r ab-rogar abjurar
ob ob-recepção oblongo
sob sob-roda sobpor
sub r, b sub-ramo subaxilar
sub-reino

sub-base

sub-raça

sub-bibliotecário

subaéreo

subdelegado

subsolo

subumano

subchefe

Não se usa hífen nas locuções.

Ex.: abaixo (advérbio) acima (advérbio) afora (advérbio) adiante (advérbio) atrás (advérbio) demais (advérbio)

abaixo de (loc. prep.) acima de (loc. prep.) a cavalo (loc. adv.) à meia-noite (loc. adv.) atrás de (loc. prep.) à vista (loc. adv.)

Obs.:

vice-versa – locução adverbial zás-trás – locução adverbial à toa – locução adverbial vis-à-vis – locução adverbial

Hífen separando elementos compostos

“Só se ligam por hífen elementos das palavras compostas em que se mantêm a noção da composição, isto é, os elementos das palavras compostas que mantêm a sua independência fonética, conservando cada um sua própria acentuação, porém formando o conjunto perfeita unidade de sentido.” (N.G.B)

Exemplos:

  1. a)    substantivo + substantivo: banho-maria, pombo-correio;
  2. b)    substantivo + adjetivo: amor-perfeito, guarda-noturno;
  3. c)    adjetivo + substantivo: baixo-relevo, má-criação;
  4. d)    verbo + substantivo: guarda-roupa, pára-quedas;
  5. e)    adjetivo + adjetivo: côncavo-convexo, político-econômico;
  6. f)    verbo + verbo: pega-pega, pisca-pisca;
  7. g)    advérbio + adjetivo: abaixo-assinado, sempre-viva;

Obs: não se usa hífen se um dos elementos perder o acento ou deixar de ter vida autônoma na língua.

Ex.: girassol, guardanapo, madrepérola, malmequer, passatempo, pontapé, rodapé, vaivém etc.

Sílaba

É um fonema ou um conjunto de fonemas pronunciados de uma só vez. Lembre-se de que a quantidade de sílabas de uma palavra é sempre igual ao número de vogais dela.

Classificação das palavras quanto ao número de sílabas

  1. a)    monossílabas – uma só sílaba: rã, Sol, só, bem. Podem ser tônicas (pé, dó, mel) ou átonas (o, a, lhe, me);
  2. b)    dissílabas – duas sílabas: cama, pires, mala;
  3. c)    trissílabas – três sílabas: concerto, xícara, tomate;
  4. d)    polissílabas – quatro ou mais sílabas: engenheiro, constituição.

Todas as palavras têm uma sílaba que é pronunciada com mais força ou destaque. É a sílaba tônica. Em relação à posição da sílaba tônica, as palavras classificam-se em:

  1. a)    oxítonas – quando a última sílaba é tônica. Ex.: tatu, acarajé.
  2. b)    paroxítonas – quando a penúltima sílaba é tônica. Ex.: carro, bule.
  3. c)    proparoxítonas – quando a antepenúltima sílaba é tônica. Ex.: médico, física.

Obs.: todas as proparoxítonas são acentuadas.

Prosódia

A prosódia é a parte da fonética que trata da acentuação tônica das palavras.

A acentuação gráfica das palavras da língua portuguesa obedece a algumas regras.

1)    Todas as palavras proparoxítonas são acentuadas.

Ex.: lâmpada, médico, sílaba, próximo.

2)    São acentuadas as palavras paroxítonas com as seguintes terminações: i, is; u, us; 1, n, r, x, ps; ã, ãs; ão, ãos; om, ons; um, uns.

Ex.: júri, grátis; bônus; amável, hífen, almíscar, clímax, fórceps; ímã, órfãs; órgão, sótão; íons; álbum, médiuns. As terminadas em ditongo crescente decrescente seguidas ou não de s: gênio, Glória, história.

3)    São acentuadas as oxítonas com as seguintes terminações: a, e, o, em, seguidas ou não de s.

Ex.: sofá, café, cipó, amém.

Acento diferencial

  1. a)    pôde (verbo no pretérito perfeito) – pode (verbo no presente);
  2. b)    pôr (verbo) – por (preposição);
  3. c)    ás (substantivo) – às (contração da preposição a com o artigo a);
  4. d)    côa (verbo coar) – coa(s) (contração da preposição com+ artigo a).

Semelhança na escrita ou na pronúncia

Algumas palavras são escritas de forma diferente, têm significados diferentes, porém possuem a mesma pronúncia. São chamadas de homônimos homófonos.

Exemplos:

4)    São acentuadas as monossílabas tônicas terminadas em a, e, o seguidas ou não de s.

Ex.:só, pé, má.

6)    Acentuam-se o i e o u quando formarem hiato com a vogal anterior, ficarem sozinhos na sílaba ou formarem sílaba com s.

Ex.: saída, saúde, Luís, faísca.

acento – intensidade acerto – ato de acertar bucho – estômago cegar – privar cerrar – fechar cessão – ato de ceder

assento – banco asserto – afirmação buxo – planta segar – ceifar serrar – cortar seção – divisão

Obs.:

■    não recebe acento o i seguido de nh.

Ex.: rainha;

■    não há necessidade de acentuar quando se repete o i ou u. Ex.: xiita, juuna;

são acentuados os hiatos formados por vogais repetidas. Ex.: vôo (vô-o);

■    a palavra Mooca não é acentuada;

  • quando a 3apessoa do singular de um verbo terminar emê, a 3a pessoa do plural termina em êem:

ele lê    eles leem

ele crê    eles creem

quando a 3a pessoa do singular termina em em, a 3a pessoa do plural termina em êm: ele tem    eles têm

ele vem    eles vêm

Outras palavras, embora tenham a mesma escrita, possuem significado e pronúncias diferentes. São os homônimos homógrafos.

Exemplos:

colher (é) – talher    colher (ê) – verbo; ato de colher

comprimento – extensão deferimento – concessão descrição – ato de descrever emigrar – deixar um país entender – compreender flagrante – evidente inflação – alta de preços mandado – particípio de mandar tráfego – fluxo, trânsito cumprimento – saudação diferimento – adiamento discrição – reserva imigrar – entrar num país intender – superintender fragrante – perfumado infração – violação mandato – procuração tráfico – comércio ilícito

leste (é) – oriente    leste (ê) – verbo ler

sede (é) – localidade    sede (ê) – vontade de beber

olho (ó) – verbo olhar    olho (ô) – substantivo

Há palavras que são parecidas na pronúncia e na grafia, mas possuem significados diferentes, são os parônimos.

Exemplos:

cavaleiro – que cavalga    cavalheiro    –    homem    cortês

Existem algumas palavras que são escritas de formas diferentes, porém possuem o mesmo significado. Eis algumas:

abdômen – abdome afeminado – efeminado aluguel – aluguer assobiar – assoviar assoprar – soprar bêbado – bêbedo flautar – frautar líquido – liquido louro – loiro

percentagem – porcentagem

REPRODUÇÃO

Abdômen – abdome

Sinais de pontuação

Os sinais de pontuação são empregados com três finalidades:

■    assinalar as pausas e inflexões durante a leitura;

■    separar palavras, expressões e orações;

■    tornar mais claro o sentido da frase.

Vírgula [, ]

Emprega-se a vírgula:

■    Para separar orações coordenadas assindéticas:

Ex.: “Nesse ponto, Baleia arrebitou as orelhas, arregaçou as ventas, sentiu o cheiro de preás, farejou um minuto, localizou-os no morro próximo e saiu correndo.” (Graciliano Ramos)

■    Para separar as orações coordenadas sindéticas:

Ex.: Nós entendemos o que está acontecendo no país, porém não aceitamos.

■    Para separar orações subordinadas substantivas apo-sitivas:

Ex.: Ele só pensava numa coisa, que não comeria mais camarão.

■    Para separar orações subordinadas adjetivas explicativas:

Ex.: Rogério, que é um menino inteligente, votou conscientemente.

■    Para separar orações subordinadas adverbiais invertidas: Ex.: “Quando ela desapareceu, o jovem recostou-se ao tronco da emburana e esperou.” (José de Alencar)

■    Para isolar vocativo:

Ex.: “Sabeis, Cristãos, por que não faz fruto a palavra de Deus?” (Vieira)

■    Para isolar aposto:

Cristo, o maior de todos os homens, foi um ser político.

■    Para isolar adjunto adverbial, quando estiver no início ou no meio da oração:

Ex.: “Uma noite, no seio da cabana, a virgem de Tupã tornou-se esposa de Martim.” (José de Alencar)

■    Para isolar expressões explicativas:

Ex.: Eu não quero mais sair, ou melhor, não quero ir para a sua casa.

■    Para separar topônimos e o numeral que vem após o nome de ruas:

Ex.: São Paulo, 30 de setembro de 2000.

Rua Imirim, 2.896.

■    Para indicar a elipse do verbo:

Ex.: “O colégio apareceu fardado; a diretoria, de casaca.” (Raul Pompéia)

■    Separar termos independentes entre si, não ligados por conjunção:

Ex.: Marina, Tatiana, Michele fazem um belo trio.

REPRODUÇÃO

O ponto de exclamação [! ]

Indica alegria, surpresa, admiração, espanto.

Ex.: “Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!” (Fernando Pessoa, Mensagem)

O ponto-e-vírgula [; ]

Indica uma pausa mais longa do que a vírgula e mais curta do que o ponto final. É utilizado principalmente para separar itens de um artigo ou lei ou de uma enumeração longa.

Ex.: “Desta vez chegou a ver-lhe um tom de censura nos olhos; riu-se, era tolice; cachorro não podia ser homem.” (Machado de Assis, Quincas Borba)

Os dois pontos [: ]

São utilizados para anunciar uma enumeração, citação.

Ex.: Você vai precisar de: papel, cola e tesoura.

“O corvo disse: – Nunca mais.” (E. A. Poe)

As reticências [… ]

São utilizadas para mostrar a interrupção da frase. Ex.: “Porque… não sei por que… porque é minha sina… creio que às vezes é melhor morrer…”

(Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas)

O travessão [ — ]

É usado para indicar a fala de um personagem.

Ex.:Crê que ela vá ao rol dos santos? perguntou Carlos Maria. — Se casar com você, creio.”

(Machado de Assis, Quincas Borba)

Os parênteses [ ( ) ]

São usados para isolar uma palavra ou frase no período. Ex.: Machado de Assis (o escritor brasileiro) nasceu no Rio de Janeiro.

As aspas[“”]

Servem para destacar uma expressão, uma frase de outra pessoa ou indicar uma citação.

Ex.: O presidente disse: “Unidos venceremos”. Também são usadas para destacar palavras estrangeiras.

Ex.: “Liebe”, que significa amor em alemão.

O ponto final [. ]

Indica fim da frase ou período.

Ex.: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.”

(Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas)

O ponto de interrogação [ ? ]

Indica uma pergunta.

Ex.: “Mas que libras são essas?”

(Machado de Assis, Dom Casmurro)

março 8, 2016
Não vai embora ainda!
Quer material pra estudar ou dar aula?
Inscreva-se grátis
Inscrever-se
Lembre-se, você poderá¡ cancelar a inscrição a hora que quiser

Você é 
Professor(a)?

Tem um slide GRÁTIS em powerpoint pra você baixar agora. 
Baixar Slide
Pular para a barra de ferramentas